sexta-feira, 15 de junho de 2007

CARACTERÍSTICAS DOS VINHOS NUMA CARTA DE VINHOS

VINHOS BRANCOS

JOVENS, ACIDULOS E REFRESCANTES

Uma marcada acidez é a característica mais destacada destes vinhos. Tanto no nariz como na boca deixam uma sensação fresca, frutada e relativamente ligeira.
Ao combinar um vinho com alimentos deve-se ter atenção, em primeiro lugar, à acidez, que não deverá ser muito acentuada.
Além do papel tradicional que tem em acompanhar peixes gordos, estes vinhos não cansam as papilas gustativas, podendo por isso acompanhar com diversas entradas.
Além disso estes vinhos refrescantes são excelentes para equilibrar a exuberância de alguns guisados.


AROMÁTICOS ENVOLVENTES

A procura de o casamento perfeito entre comida e vinhos é algo que o anfitrião tenta conseguir para que os seus convivas nunca esqueçam aquele jantar e acima de tudo o vinho.
Neste tipo de vinhos temos que ter em conta a estrutura do vinho, isto é, a graduação alcoólica se encontra de acordo com a complexidade e corpo do mesmo.
São vinhos que a acidez está mais moderada, aromas mais expressivos ao nível da fruta tropical, citrina e frutos de árvore.
As iguarias a harmonizar com estes vinhos são peixes não muito gordos, saladas compostas, não muito temperadas (a combinação sal e álcool deixa uma sensação amarga). Queijos não muito gordos podem harmonizar com este tipo de vinho.

SEDOSOS, EQUILIBRADOS COM TEXTURA

Estes vinhos surpreendem pelo olfacto e paladar graças a uma estrutura de aromas exóticos e envolventes que resultam muitas vezes em toques perfumados.
Os aromas no caso destes vinhos limita um pouco a combinação pois são aromas sensíveis e estruturados, quando combinados com uma iguaria que não se adapte com ela, fica um vinho banal.
A primeira impressão que estes vinhos deixam na língua é uma certa suavidade com toque doce e complexo. A sensação que deixa na boca intensifica-se devido à baixa acidez que o assiste, deixando a descoberto toda a sua estrutura que o enriquece.
As iguarias aconselhadas são peixes não muito condimentados, com temperos fortes. Nas carnes, pratos de caça de penas e carnes vermelhas.”Chutneys”, molhos picantes não são bons companheiros para este tipo de vinho.

VINHOS ROSÉS

FRESCOS, FRUTADOS E ELEGANTES

São vinhos que devido à sua cor apelativa, frescura bem presente onde existe um casamento entre acidez e aroma, baixa % de álcool, estimulam o apetite e são agradáveis aperitivos, refrescando o paladar e apagando a sede.
Os rosés são vinhos que se encontram num espaço cada vez mais apetecível, pois encontra-se entre os vinhos brancos e tintos.
São vinhos que acompanham bem entradas pouco elaboradas, saladas, acepipes, carnes brancas e peixes grelhados.
Os roses são óptimas escolhas para acompanhar refeições ligeiras, almoços pois complementam a frescura, o frutado num só.

VINHOS TINTOS

JOVENS, FRUTADOS E EQUILIBRADOS

Estes vinhos são vinhos que podemos denominar de “vinhos de almoço”. As características que apresentam são de grande intensidade aromática e acidez correcta.
O sabor e aroma presentes nestes vinhos são fundamentais para a sua grande capacidade de combinação, pois são acompanhamentos ideais para pratos pouco completos.
A acidez que têm devido à falta de taninos, a suavidade da textura e o carácter frutado, aliado a uma temperatura mais baixa dão um conjunto equilibrado aquando a combinação com iguarias.

ENCORPADOS COM ELEGÂNCIA

Estes vinhos apresentam características marcantes ao nível da finura, do equilíbrio de acidez com taninos e acima de tudo um conjunto harmonioso.
O que exalta mais neste tipo de vinhos é o perfume, aromas a fruta silvestre. O equilíbrio entre acidez, açúcar (ligeiro, uvas muito maduras) e tanino resulta um vinho entusiasta e envolvente.
Acompanha bem pratos que sejam algo condimentados, pratos de caça, dando-lhes frescura e uma envolvência de aromas e sabores que enriquecem o conjunto.

ESPECIADOS, VOLUMOSOS COM MADEIRA

Vinhos que apresentam aromas e sabores com alguma juventude aliados de aroma de evolução. São estes aromas que enriquecem o conjunto e dão estrutura e corpo aos vinhos.
A % de álcool relativamente elevada e o estágio em barricas de carvalho, conferem a estes vinhos uma certa intensidade degustativa e uma consistência sedosa, ao mesmo tempo que os taninos ao sabor são arredondados.
Estes vinhos contêm os 3 sabores de base, o amargo com os taninos, o doce do álcool e glicerina e o acídulo da acidez dos vinhos.
Devidas as estas características conseguem abarcar um paladar rico, encorpado e envolvente.

3 comentários:

Mónica disse...

andava por aqui a pesquisar informaçoes para um trabalho de restaurante quem eu fui encontrar.
está muito giro professor :)

Alis disse...

sou iniciante em querer conhecer e saber escolher os vinhos pelas caracteristicas. Gostaria de saber o que significa exatamente termos usados como evolução,por exemplo e saber tb escolher atraves das caracteristicas de cada uva.Uma vez tomei um vinho branco que tinha um cheiro de flores insuportável,lembrava até um velório, e esse aroma me impediu de tomar esse vinho.Outra vez tomei um vinho português tinto seco, muito saboroso e agradável paladar, mas a acidez se sobressaiu e isso me incomodou um pc.Percebo que alguns tem o aroma amadeirado,outras vezes frutado,ms o fico com receio de comprar um vinho que tenha um aroma excessivamete floral, o que me dá ânsia! Por favor, me ajudem pois sou leiga nesse assunto e adoro vinhos, principalmente os tintos secos e brancos demi-seco

obrigada

Anónimo disse...

Eu gostaria de saber como é cada vinho tipo: Qual trava mais? Qual é mais aveludado? Qual é mais leve? As diferenças?