Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2007

QUINTA DO VALDOEIRO - BAIRRADA -

QUINTA DO VALDOEIRO
REGIÃO: BAIRRADA

Mais uma viagem vinícola que fazemos por terras lusitanas, ao encontro de uma quinta numa região que tem vindo a reconquistar os enófilos.
A região da Bairrada é conhecida por ter vinhos difíceis de agradar aos enófilos pois são vinhos que eram elaborados para serem bebidos não jovens, mas com alguma idade, particularmente os vinhos da casta BAGA.

A Quinta do Valdoeiro, foi adquirida pelas Caves Messias, nos anos 40. A partir dessa data foi crecendo estando neste momento com 130 hectares de vinha.
Os solos da Quinta do Valdoeiro, são de baixa fertilidade, pobres, constituídos por uma primeira camada franco-arenosa e uma outra mais profunda, de consistência argilosa, compacta, onde as raízes das videiras penetram com dificuldade em busca dos nutrientes essenciais à nutrição da planta.
A ligeira ondulação do relevo, as encostas soalheiras voltadas a sul e a nascente e a implantação das castas, separadas por talhões, tendo em conta a melhor exposição para …

QUINTA DA ALORNA - RIBATEJO -

Nome Alorna veio do título que D. Pedro Miguel de Almeida Portugal ganhou na Índia, na luta que travou com o rajá de Bounsuló, que invadira os territórios debaixo da soberania portuguesa e atacava no mar os nossos barcos.
D. Pedro, como vice-rei da Índia cumpriu-lhe castigar a insolência do rajá, pelo que investiu numa das praças mais fortes daquele potentado – Alorna que conquistou;
Regressado a Portugal, mudou o nome da propriedade para Quinta da Alorna. Julga-se ter sido D. Pedro de Almeida quem mandou construir o magnífico palacete existente na propriedade, na qual institui ermida e a dotou por escritura em 1735. O Palacete tem na sua fachada principal, voltada ao Tejo, o brasão dos Almeida.
A nível agricultura a Quinta da Alorna tem uma variedade de culturas num vasto campo, banhado pelo Tejo, muitos deles, sendo outra parte mais para o interior. As culturas além da vinho , vão desde a batata, melão, milho.
As vinhas foram plantadas no século passado, tendo uma grande sup…

COMBINAR VINHOS E QUEIJOS....UMA OUTRA ABORDAGEM...

COMBINAR VINHOS COM QUEIJO…

O queijo tem vindo a ganhar cada vez mais adeptos na mesa dos portugueses. Depois do prato principal sabe bem degustar um queijo. Normalmente acompanha-se o queijo com vinho tinto, visto que, se estamos a beber vinho tinto, continuamos a bebe-lo com o queijo.
Mas vinho tinto com queijo é uma combinação difícil. O contraste da proteína existente no queijo, os sabores lácticos do mesmo, não combina bem com os taninos e adstringência do vinho tinto. É uma combinação pouco conseguida.

Para combinar queijos e vinhos, porque não acompanha-los com vinho branco, vinho do Porto e Moscatel de Setúbal?

Para queijos de ovelha ou cabra de pasta mole, não muito fortes, untuosos, podemos combinar com vinhos brancos jovens, frescos e acídulos. A marcada acidez é a característica mais destacada destes vinhos. Tanto no nariz como na boca deixam uma sensação fresca, frutada e relativamente ligeira.
Ao combinar este tipo de vinho com queijos deve-se ter atenção, em primeiro lugar, …

QUINTA DA LAGOALVA - NO CORAÇÃO DO RIBATEJO

QUINTA DA LAGOALVA

Situada nas terras ribatejanas, a quinta da Lagoalva é uma das mais carismáticas da região.
As vinhas assentam em pressupostos de ordem agrícola vindos da Austrália, com modernos processos nos sistemas de condução, tal como a adega, que conjuga uma vinificação de grande mutabilidade de escolhas enológicas, fundamentadas entre o modelo do “Novo Mundo” e as regras tradicionais da Europa.
Os vinhos da Quinta da Lagoalva, são resultado de uma nova abordagem ao vinho com técnicas novas e avançadas, na procura de fazer sempre os melhores vinhos possíveis na quinta , tendo como parâmetros o preço/qualidade.
Muito desta nova abordagem é dada pelo enólogo residente, Diogo Campilho, jovem com alguma experiência nas longínquas vinhas do novo mundo, trazendo por isso, novos conhecimentos e colocando-os à disposição do experiente enólogo, Rui Reguinga.
As castas utilizadas são as tradicionais da região, castelão, touriga nacional, arinto, Fernão pires, alfrocheiro e alguma estrangeir…

GLOSSÁRIO DE VINHOS

GLOSSÁRIO DE VINHOS

Acidulo
Vinho que apresenta grande acidez ao nível do sabor

Adstringência
Sensação de aspereza e de encortiçamento sensível nos tecidos da boca ao contacto com alguns vinhos (sensaçõ de como comer uma banana verde)

Agressivo
Diz-se do vinho novo ou velho demasiado duro (acidulo e tânico)

Aroma
Odor encontrado num vinho . detecta-se no nariz e na boca

Aromas Primários
Aromas que advêm do próprio tipo de casta

Aromas secundários
Aromas que se formam durante e depois da fermentação

Aromas terciários
Aromas que se desenvolvem na garrafa devido à grande qualidade dos vinhos que têm estes aromas

Aveludado
Um vinho que, na boca, apresenta suavidade e uma estrutura agradável

Bouquet
Odores e sabores que caracterizam e dão vida ao vinho

Casta
Tipo de uva exe: arinto , cabernet sauvignon

Complexo
Com variados aromas; rico em aromas

Corpo
Característica de um vinho dada pela sua graduação alcoólica e pelo seu extracto seco. Quanto mais corpo existir no vinho, menos aguado será.

Decantar
Processo pelo…

Vinho à temperatura ambiente? Será que está certo?Vamos acabar com este MITO

*Dica: ao colocar os vinhos tintos a 16ºC/18ºC podemos percepcionar aromas , que a uma temperatura mais elevada não existiam.
Quanto mais baixa a temperatura mais agradável vão ser os aromas e mais fácil de percepciona-los. O termo temperatura ambiente encontra-se um pouco fora do contexto visto que a nossa temp. Nas nossas casa rondam os 22/24ºC. Se o colocarmos a esta temperatura no vinho só vai ser visível o álcool e aromas deveras pesados e pouco entusiastas.
O termo “ beber o vinho tinto à temperatura ambiente”, diz respeito a uns anos atrás onde a nas casas não havia alcatifas, ar condicionado, apenas uma lareira. O vinho que se encontrava na adega ou na garrafeira estava a 12/13ºC e por isso colocava-se o vinho à lareira um pouco para que a temp. Pôde-se chegar até aos 18ºC .

Desperte os Sentidos...

Cada vez mais o vinho em Portugal toma lugar de destaque quer na nossa casa, quando recebemos amigos ou quando vamos ao restaurante.
Devido a esta redescoberta por parte dos portugueses deixamos algumas dicas para que possa provar os vinhos de uma maneira que achamos correcta e divertida.
Convide uns amigos e ofereça algo de diferente...

DESPERTE OS SENTIDOS, DESCONTRAIA-SE E DIVIRTA-SE
VAI COMEÇAR A PROVA:

Em primeiro lugar deve adquirir os vinhos nas lojas da especialidade onde o aconselhamento é mais pessoal.
Para começar tente procurar vinhos de anos recentes, pois estes têm aromas mais explícitos e são mais fáceis.
Utilize copos apropriados, em forma de tulipa. Porque não comprar na garrafeira alguns copos ?
A realização da prova deve ser feita num espaço com boa luz, silencioso isento de cheiros e fumos.
Tape o rotulo da garrafa par que ninguém seja influenciado pela marca
Coloque pouca quantidade de vinho nos copos.
Tome atenção ás temperaturas de serviço dos vinhos:

8º/10ºC – vinhos espu…

FRASES DOS POETAS

Quando provares, não olhes para a garrafa, nem para o rotulo, nem observes aquilo que te rodeia, mas mergulha em ti mesmo para ai poderes ver nascer as tuas sensações e formarem-se as tuas impressões. Fecha os olhos e olha com o teu nariz, com a tua língua e com o teu palato –PIERRE POUPON

DANDO A CONHECER NOVOS PRODUTORES

Iniciamos com um produtor do Alentejo, FRANCISCO NUNES GARCIA.

Engenheiro agrónomo de profissão, ligados ás lides do campo, professor na escola superior agrária de Beja, iniciou o seu projecto vinícola quando plantou a sua vinha em 1997, com 25 hectares. A vinha situa-se junto à barragem do Alqueva, nas antigas margens do rio Guadiana, composta por uma diversidade de castas típicas alentejanas, entre as quais, Castelão, Trincadeira, Aragonês, Alfrocheiro, Alicante bouschet, Cabernet Sauvignon etc, onde o solo é composto por calhau rolado e xisto.
Até 2002 os vinhos foram feitos fora da actual adega, pois até então ainda estava em reestruturação. A adega actual é uma antiga fabrica de ração, em Moura, que foi adaptada para adega de vinhos.
Os vinhos da empresa Francisco Nunes Garcia são elaborados pelo engenheiro João Melícias, com o apoio de Jorge Páscoa e do filho do dono da empresa, Francisco Garcia.
As primeiras colheitas foram em 1999, com o Reserva 99, e as monocastas Alicante-bousch…
CONHECENDO A ESSÊNCIA EM QUE O POETA SE INSPIRA...A UVA...
Casta : tipo de uva de que se elabora os vinhos
Castas da mês:
TRINCADEIRA: é conhecida no Douro por Tinta Amarela, tendo outras sinonímias, Vinhão, Preto Martinho; elabora vinhos tintos;
O nome de tinta amarela deve-se á coloração das folhas deste tipo de casta; apresenta bagos pequenos, concentrados e apesar de ter um nome que transmite alguma estrutura ao nível do bago, apresenta sensibilidade ao nível do bago, pois é muito fraca e sensível ao clima, sendo também uma casta de vindima tardia.
Tendo as condições adequadas dá origem a vinhos muito bons, com boa acidez, fruta bem presente, sabor intenso, frutado, denotando-se o acidulo e os taninos da própria uva.

Á descoberta do Vinho

inicio o meu blog, na esperança de poder dar a conhecer a todos os que gostam de vinho,diferentes vinhos com apreciações e algumas dicas que fui aprendendo ao longo da minha curta carreira nos vinhos, guiada pelo mestre Engº Mário Louro